PROPOSTAS DAS CHAPAS ELEITORAIS
 
CHAPA 1
DEFESA PROFISSIONAL - FALE 33
PROPOSTA
Desde que assumimos o CRM-MG, nossos conselheiros têm trabalhado com afinco na defesa dos interesses e dos direitos dos médicos mineiros. Para a gestão 2018-2023, nossa intenção é ratificar e aumentar os serviços prestados até então, além de desenvolver novos projetos e defender novas bandeiras. 
DEFESA PROFISSIONAL
Acreditamos que a defesa profissional se faz necessária para que o médico mineiro tenha a tranquilidade para exercer da melhor forma possível sua profissão. Continuaremos defendendo até a última instância os interesses de nossa categoria, para que todo profissional seja respeitado e valorizado. Manteremos a participação de dois conselheiros na Comissão Estadual de Defesa do Médico para que nossa voz seja sempre ouvida. Continuaremos defendendo a revalidação do diploma para os médicos formados no exterior, sejam eles brasileiros ou estrangeiros, para atuarem no país, em especial aqueles que participam do Programa Mais Médicos. Manteremos nossas ações em prol da Lei do Ato Médico.
EDUCAÇÃO CONTINUADA
Por uma melhor qualificação profissional, ampliaremos a quantidade de cursos patrocinados pelo CRM-MG em parceria com as sociedades de especialidades. Diversificaremos as áreas e as especialidades de nossas aulas para que um número cada vez maior de profissionais possa usufruir de nossos cursos obtendo certificados chancelados por instituições internacionais. Nos últimos anos aproximadamente 10 mil médicos foram capacitados em todo o nosso Estado. 
PARTICIPAÇÃO NO CONSELHO
Considerando a complexidade e seriedade das atividades conselhais optamos por uma renovação consciente e responsável de 30% do corpo de conselheiros. Entendemos que as atividades atribuídas pela Lei 3.268/57 (fiscalizatórias, judicantes, cartoriais, entre outras) precisam de profissionais experientes e capacitados. Acreditamos que novas ideias e pensamentos aliados à experiência são fundamentais para que o trabalho que temos desenvolvido possa ser ampliado e melhorado. 
DESCENTRALIZAÇÃO NO CONSELHO
Continuaremos investindo em infraestrutura e capacitação de recursos humanos para uma melhoria constante nos serviços prestados pelas Delegacias, presentes em todas as regiões do estado, dando mais autonomia para atenderem as demandas administrativas e de promoção ética localmente, garantindo agilidade no atendimento às necessidades dos médicos do interior. 
FISCALIZAÇÃO
Ampliação da atividade de fiscalização nas instituições de saúde por toda Minas Gerais, para que os médicos mineiros tenham condições dignas para exercerem sua profissão. O serviço de fiscalização promovido pelo CRM-MG tem sido de fundamental importância para auxiliar o Poder Judiciário, Ministério Público e as Secretarias Estadual e Municipais de Saúde na busca pela melhoria das condições de atendimento médico e assistência à saúde da população. 
FORMAÇÃO PROFISSIONAL
Manteremos nosso apoio a qualificação do ensino médico. Acreditamos que ações desenvolvidas juntamente com as escolas médicas possibilitam que os profissionais cheguem ao mercado de trabalho melhor preparados. Defendemos que os residentes tenham uma formação mais eficiente. 
REMUNERAÇÃO JUSTA
Continuaremos trabalhando em defesa da valorização correta do profissional dando a ele uma remuneração justa e uma qualidade de trabalho adequada. 
INDEPENDÊNCIA
Somos e continuaremos sendo completamente independentes. Não estamos ligados a instituições ou ideologias políticas que, por ventura, possam colocar outros interesses à frente das preferências dos médicos mineiros. Dessa forma, temos autonomia e segurança para trabalharmos a fim de atender as demandas gerais da nossa categoria. 
ÉTICA
Continuaremos defendendo os direitos dos médicos mineiros, sempre respeitando as normas Éticas. Somos favoráveis a uma legislação que legitime os Conselhos de Ética a intervirem nos serviços que não assegurem as condições de trabalho médico e de assistência à saúde adequadas em toda Minas Gerais. Continuaremos a implementar atividades de divulgação da Ética através de cursos para profissionais e estudantes de Medicina. 
OBRIGAÇÕES LEGAIS DO CONSELHO
Sabemos da responsabilidade em representar toda a nossa classe no estado de Minas Gerais. Dessa forma nos comprometemos em manter os cuidados com as obrigações legais do conselho através das atividades definidas por Lei – Cartoriais (sejam elas ações administrativas, registros de diplomas, fornecimento do CRM, dentre outros), Judicantes (recebimento de denúncias, a instauração de sindicâncias e, se necessário, processos éticos profissionais) e Fiscalizadoras – terão destaque nos serviços prestados pelos conselheiros. 
 
CHAPA 2
EVOLUÇÃO
PROPOSTA
1) Valorização do trabalho médico.
2) Fiscalização ativa e presente das condições de trabalho médico.
3) Defesa de uma remuneração justa ao médico.
4) Apoiar a adoção do piso salarial da categoria (FENAM).
5) Proatividade do CRM na abertura e fiscalização das Faculdades de Medicina.
6) Implantação do Plantão Digital do Conselho.
7) Fiscalização efetiva contra o exercício ilegal da profissão resguardando o ato médico.
8) Apoiar o jovem médico no início da carreira, no ingresso ao mercado de trabalho, na sua relação com empregadores, operadoras de planos de saúde e convênios.
9) Apoiar a regulamentação e aplicação do ato médico.
10) Criar novos canais de comunicação com os médicos e modernizar os canais já existentes.
11) Apoiar o reconhecimento de práticas cientificamente sedimentadas na literatura mundial.
12) Revisão das políticas de marketing médico.
13) Promover ações de valorização do médico perante a mídia e a sociedade.
14) Maior proximidade entre as entidades representativas do médico, Associação Médica, Sindicado e CRM, em uma parceria efetiva.
15) Lutar por mais segurança para o médico nos postos de trabalho, em especial a mulher médica.
16) Equipar o CRM com assessorias especiais, entre elas o apoio jurídico.
17) Apoiar a revisão da dupla tributação da pessoa física e jurídica dentro do CRM.
18) Tornar as delegacias regionais mais atuantes e efetivas.
19) Resgate da ética e do respeito com os colegas nas ações judicializantes do conselho.
20) Transformar o CRM em uma entidade que lute pela defesa ética do médico.